Debate nas salas de aula

A educação não deve apenas transmitir conteúdo, mas fazer o aluno pensar e refletir sobre o seu contexto político, cultural, econômico e social. Isso é de suma importância para a formação de um jovem atuante e participativo.

E o debate é a ferramenta que pode estimular o aluno a ler a sociedade na qual está inserido, pensar e refletir na busca de soluções para os problemas levantados por ele ou pelo professor em sala de aula.

Assim, além de um estudante participativo, o sucesso nas avaliações do ENEM ou dos vestibulares é garantido!

O debate deve ser uma prática diária e constante entre as atividades escolares e pode ser ensinado logo no momento em que a criança entra na escola.

Debate escolar nas aulas de memória e história

Recentemente, fiz um trabalho com a turma do 6º ano do Ensino Fundamental sobre memória e história e realizei um debate entre os alunos sobre mulheres que contribuíram com a história para aproveitar o Dia Internacional das Mulheres.

O assunto rendeu a iniciativa dos alunos pela busca de livros para a leitura como “O Diário de Anne Frank” (Anne Frank, Ed. Record) ou mesmo “Malala, a Menina que Queria Ir para a Escola” (Adriana Carranca Corrêa, Ed. Companhia das Letrinhas). Mas não parou por aí.

Uma aluna entrou em contato com a autora Adriana Carranca trocando mensagens e ambas ficaram muito felizes com o retorno.

No Colégio São Judas Tadeu, escola na Mooca entre as mais tradicionais de São Paulo, há um estímulo à leitura, à continuidade nas aulas com as conversas entre alunos e pais e à atenção maior ao contexto político atual.

O debate em diferentes níveis de ensino

Prova disso são os efeitos desse tipo de trabalho que realizei com estudantes que hoje já estão no Ensino Superior e me enviam mensagens pelas redes sociais agradecendo os debates porque sentem a diferença entre eles e os amigos durante a exposição de um trabalho. Sentem-se bem mais desinibidos e reflexivos.

Vale destacar que não há diferenças entre os debates feitos em diferentes níveis de ensino. A diferença, quando acontece, é natural pela série e pela idade.

Porém, os temas que trabalho são semelhantes. No 7º ano do Ensino Fundamental, por exemplo, estamos trabalhando um debate sobre intolerância religiosa, tema que discuti também entre os alunos do Ensino Médio e que foi tema da redação do ENEM do ano passado.

Outro ponto fundamental a ser ressaltado é que, no Colégio São Judas, os debate têm a finalidade de esclarecer os estudantes e não para influenciar a opinião deles sobre os temas debatidos.

Preservamos a informação e o esclarecimento. A confiança da escola nos permite debater temas como intolerância religiosa, a situação das crianças na Síria, o preconceito racial no país, a condição da mulher na sociedade, a crise humanitária dos refugiados, entre outros assuntos.

São muitos os temas levados para a sala de aula para a formação de um jovem atuante na busca de uma sociedade pluralista e democrática.