Como lidar com a ansiedade infantil na escola

Compartilhe:

ansiedade infantil

ansiedade infantil

Inquietação, imediatismo, necessidade de chamar atenção, dificuldade em seguir regras… fique atento às características de uma criança sofre de ansiedade

Crianças também sofrem de ansiedade. De acordo com o levantamento do National Institutes of Mental Health, uma organização americana científica focada em saúde mental, 25% das crianças dos Estados Unidos têm distúrbio de ansiedade. No Brasil, estima-se que o número de crianças com o transtorno tenha crescido 60% entre 2001 e 2011, de acordo com o Centro de Atendimento e Pesquisa de Psiquiatria da Infância e Adolescência (Capia), da Santa Casa do Rio de Janeiro.

(fonte: http://revistacrescer.globo.com/Criancas/Comportamento/noticia/2013/10/sera-que-e-ansiedade-saiba-como-identificar-o-problema-no-seu-filho.html)

NewsletterDiante dos números, como saber se o seu aluno sofre de ansiedade infantil? A professora Andrea Ferola Navarro Manhas Marconi, que leciona para a turma de Maternal do Colégio São Judas Tadeu, escola na Mooca entre as mais tradicionais de São Paulo, há algumas características que revelam que uma criança é ansiosa. “Inquietação e agitação motora, imediatismo, necessidade de chamar atenção do grupo e do professor (conversas excessivas, andar pela sala de aula e agressividade), dificuldade em seguir regras e orientações (oposicionismo), tiques orais e motores, necessidade de executar suas tarefas rapidamente para realizar outra atividade, comer excessivamente ou falta de apetite total e até a falta de atenção e concentração em alguns casos”, conta Andrea, que também é psicóloga.

A professora, quando identifica um aluno com esse comportamento, adota postura firme, mas sem deixar de ser amorosa. “Mantenho, sempre que possível, contato sinestésico, deixando a criança segura para realizar suas tarefas com calma. Explico e oriento quantas vezes forem necessárias as atividades e os assuntos abordados. Auxilio na organização de seus pertences, solicito sua ajuda em pequenas tarefas, como o de ser o ajudante do dia, elogio cada comportamento assertivo e reforço os progressos alcançados”, explica.

Prevenção à ansiedade infantil 

Com a família, sua orientação é ter a mesma conduta, com as devidas adaptações para a rotina caseira: sempre com elogios aos progressos alcançados, repetindo as orientações dadas, oferecendo ambiente tranquilo e calmo, mantendo contato sinestésico, auxiliando em pequenas tarefas e nas atividades escolares, incentivando a prática de esportes e atividades grupais. “Com essa conduta, é possível observar a diminuição da ansiedade infantil quando os desejos e impulsos imediatistas não são prontamente atendidos.”

Ela lembra com alegria de um caso bem-sucedido: “Por meio de jogos e brincadeiras, pude acompanhar melhoras significativas no desenvolvimento global de uma criança. Nesse caso, antes agitada, passou a ficar sentada em rodas de conversas, dividiu seus pertences com outros colegas, adotou postura mais autônoma e independente, demonstrou interesse por livros de histórias e passou a me auxiliar com maior frequência”.

Matrículas 2018Vale destacar que a ansiedade acomete crianças logo na primeira infância (até os 6 anos de idade), ocasionando sérios transtornos quando não diagnosticada precocemente. “A escola tem importante papel em alertar os pais e adotar medidas preventivas que possam sanar ou diminuir a sintomatologia apresentada”, ressalta Andrea. “Em casos mais graves e específicos, o papel da escola é solicitar o acompanhamento da criança com profissionais especializados.” No entanto, atenção, nem toda manifestação de ansiedade é ruim, afinal, ela prepara o indivíduo para situações que podem ser difíceis, como a primeira vez na escola.

Para ler mais sobre este assunto, acesse o  eBook “7 dicas para evitar a ansiedade da Primeira Vez na Escola“.

 

Compartilhe:

Comentários da Matéria

0 comentários

Deixe o seu comentário: