Adolescentes têm sono excessivo

Às 6h, o despertador dos seus filhos adolescentes toca incessantemente e acorda a casa inteira – menos ele. Você precisa se levantar e praticamente arrastar seu filho da cama para que ele não perca o horário do colégio.

Ao chegar da escola, você descobre que ele levou uma advertência por dormir em sala de aula pela terceira vez na semana. Depois de almoçar, seu filho vai para o quarto e simplesmente dorme a tarde inteira. Quando chega a hora em que ele deveria dormir, lá pelas 22 ou 23 horas, ele não quer saber de ir para a cama.

Diante desse comportamento, algumas pessoas podem cogitar que seus filhos adolescentes são verdadeiros preguiçosos. Mas será que é isso mesmo? Na verdade, esse sono excessivo é algo normal na adolescência. Quer saber por que isso acontece? A resposta é a mesma para quase todos os problemas da adolescência: é tudo culpa dos hormônios.

Esse é um problema que atinge praticamente todos os adolescentes, deixando as famílias bastante preocupadas. Por isso, o Colégio São Judas Tadeu localizado no bairro da Mooca, explica o motivo pelo qual os adolescentes dormem tanto.

Uma mudança no relógio biológico

Quando saímos da infância e chegamos à fase da adolescência, passamos por uma série de mudanças. Entre elas, está uma mudança do nosso relógio biológico, chamado cientificamente de ciclo circadiano. Essa alteração se manifesta como um atraso no relógio biológico dos adolescentes, fazendo com que eles sintam sono em horários mais avançados do que quando eram crianças – e, consequentemente, acordando mais tarde também.

A mudança no ciclo circadiano acontece devido a uma alteração na produção de um hormônio chamado melatonina, que é secretado pela glândula pineal. Esse hormônio, que tem papel fundamental no sono por inibir o estado de alerta, passa a ter seu pico de concentração no organismo um pouco mais tarde, dando origem ao “atraso” no relógio biológico.

A produção da melatonina aumenta quando estamos em ambientes escuros e calmos, e é por isso que ambientes com essas características nos dão sono. E é por isso também que o uso de computadores e celulares é desaconselhável na hora de dormir, pois o brilho da tela atrapalha a produção de melatonina – mais um fator que faz com que os adolescentes durmam tarde e consequentemente tenham um sono excessivo.

O problema vem na hora de acordar

Em média, os adolescentes precisam 9 a 10 horas de sono para se sentirem bem e para suprir as necessidades do seu organismo. Agora imagine que uma criança que costumava dormir às 22h chega à adolescência e passa a sentir sono lá pela meia-noite.

Acontece que, em geral, o horário de início das aulas não permite que os adolescentes durmam à vontade, tendo que acordar bem mais cedo do que eles gostariam – e mais cedo do que o corpo deles pede. Quando for 6h da manhã, o despertador desse adolescente vai tocar e ele vai ter dormido no máximo 6 horas, uma quantidade de sono bem inferior à necessária.

Além disso, o atraso na liberação da melatonina tem outra consequência: o atraso na liberação do cortisol, um hormônio produzido pelas glândulas suprarrenais no começo do dia, responsável por nos fazer acordar. Ou seja: se o cortisol atrasa, nosso corpo também se atrasa para acordar.

Some o atraso no relógio biológico, o uso excessivo de equipamentos eletrônicos, a hora de início das aulas e as poucas horas de sono e você terá o resultado: adolescentes que querem dormir o dia todo, como se fossem preguiçosos e aquele sono excessivo.

Os prejuízos da privação de sono excessivo

Ficar se arrastando pela casa não é a única consequência de horas de sono insuficientes de um adolescente. Estando cansado, será muito mais difícil prestar atenção nas aulas, prejudicando o aprendizado e a memória. Ainda, todos os pais sabem muito bem: quanto mais sonolento, mas agressivo e irritado o adolescente fica, o que pode prejudicar sua convivência com a família e os amigos.

Além disso, é durante o sono que acontece a maior parte da secreção do hormônio do crescimento, ou seja, um déficit de sono pode levar também a problemas de desenvolvimento físico.

Como ajudar seu filho a ter uma rotina de sono saudável

Dificilmente você vai conseguir fazer seu filho se desconectar de tudo e ir dormir às 21 horas, garantindo as 9 horas de sono por noite. E isso não é só por rebeldia: muitas vezes, eles têm atividades durante a tarde e precisam estudar e fazer a lição de casa à noite, depois de jantar e interagir com a família.

Por isso, é importante que os pais se preocupem com o sono de seus filhos desde a infância, contribuindo para a formação de hábitos saudáveis, como seguir horários determinados para dormir e acordar.

Mas, se seu filho já é adolescente, nem tudo está perdido. Garanta que ele pratique atividades físicas para que haja a produção de adenosina – uma substância que se acumula no organismo conforme gastamos energia e faz com que sintamos cansaço no final do dia. As atividades mais intensas, porém, devem encerrar às 17 horas para impedir que hormônios como a adrenalina, produzida durante o exercício, atrapalhem o sono.

Além disso, é importante estabelecer um horário para desligar o celular e outros aparelhos eletrônicos, de preferência uma hora antes de se deitar. Por fim, o quarto deve ser silencioso e tranquilo e, se possível, reservado apenas para dormir.

Nesta fase o adolescente passa por por momentos de conflitos e desafios, então ajudar o seu filho nessa época é fundamental para o desenvolvimento dele.

Sem comentários

Postar um comentário