Orientação Profissional, Emprego e Empreendedorismo

orientação profissional

orientação profissional

Existem assuntos que nunca “saem de moda”, um deles é a orientação profissional para a jovens e adolescentes. Fase muito complicada da vida, onde pressões de todas as partes se estabelecem, qual a posição da escola, dos pais e responsáveis na assistência à esta difícil decisão?

Orientação Profissional, Empregabilidade e Empreendedorismo

Acostumamos a desde muito cedo perguntar para as nossas crianças: “O que você quer ser quando crescer?”. Pergunta respondida em tom de brincadeira no início da infância, ganha outros contornos à medida que o tempo passa. Mesmo antes do início do Ensino Médio, ainda nos últimos anos do Ensino Fundamental, percebemos como a pressão por esta decisão recai em nossos adolescentes.

Para nós este assunto não é novo. Acompanhando jovens e adolescentes nesta importante decisão desde 1947 (Sim! Estamos completando 70 anos de vida em 2017), vimos inúmeros dramas desta importante fase.

Uma das oportunidades onde mais nos aprofundamos na questão foi quando entrevistamos o Psicólogo Leo Fraiman, especialista na Orientação Profissional de Jovens e Adolescentes. Conversamos muito sobre o OPEE (Orientação Profissional, Empregabilidade e Empreendedorismo), método estruturado para assistir crianças, adolescentes e jovens a identificar seus caminhos e a criar planos para trilhá-los. O OPEE está presente no Plano Pedagógico do Colégio São Judas e realiza atividades com nossos alunos desde o segundo ano do Ensino Fundamental até o Ensino Médio.

Entre as questões levantadas por Fraiman uma que mais nos chamou a atenção, esteve “o perigo das verdades prontas”.

Os perigos das verdades prontas

“Esta profissão é a profissão do futuro”, “Aquela profissão dá muito dinheiro”… Esta são duas entre muitas afirmações que o Psicólogo Leo Fraiman chama de “verdades prontas” e que podem levar à um perigo muito grande: A decisão que não é pautada nas reais habilidades e aptidões do jovem.

Na matéria que foi veiculada na edição nr. 15 no ano IV da Revista Geração São Judas, Fraiman afirma que a melhor forma dos pais lidarem com esta situação é buscando diversas fontes de informação, pesquisar, ler e refletir sobre cada uma delas. Notícias e estudos são excelentes fontes de informação onde pais e responsáveis poderão ajudar seus jovens a tomar decisões.

Questão muito importante levantada por Leo, foi a dificuldade de pais e responsáveis abrirem mão da sua posição de capitão ou piloto da vida dos filhos para assumir um “papel de copiloto, de parceiro, de acompanhante, de companheiros…”. Tomar as decisões pelo filho de forma alguma é defendida pelo psicólogo, bem como pelo Colégio São Judas.

Para ler entrevista completa do psicólogo Leo Fraiman, acesse a Revista Geração São Judas: https://www.colegiosaojudas.com.br/wp-content/uploads/2016/05/GSJ_2014_ed15_web.pdf 

E o papel da Escola na orientação profissional?

Matrículas 2018Nunca é cedo para permitir que a criança aumente o autoconhecimento sobre suas capacidades naturais e que desenvolva suas habilidades. Este é o princípio do que pode ser no futuro a sua decisão sobre profissão e carreira.

Proporcionar que a criança ensaie esta decisão e que se aproxime da realidade de diversos profissionais é fundamental para que tudo seja mais natural possível. São muitas as escolhas equivocadas baseadas em falta de informação e vivência.

Orientação profissional faz parte do Planejamento Pedagógico do Colégio São Judas. Desta forma, inúmeras atividades que dão assistência à esta decisão são programadas ao longo da estada da criança em nossa Escola, que pode ser desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, trabalhando a questão desde muito cedo.

E o Empreendedorismo, como ele fica neste contexto?

Realidade cada vez mais presente nas famílias, o empreendedorismo deixou de ser uma ocupação

temporária entre um e outro emprego, para ser a opção consciente de pais e responsáveis para as suas carreiras. As crianças que crescem dentro deste contexto tem exemplos mais vivos sobre a questão, mas esta opção precisa estar a disposição de todos.

Se as decisões sobre profissão já são complexas, quando colocamos o contexto do Empreendedorismo nesta “conta” as variáveis aumentam exponencialmente. Além das capacidades técnicas, muitas habilidades comportamentais estão presentes nas nossas crianças desde cedo. Essas questões oferecem condições importantes para que eles no futuro possam desenvolver atividades empreendedoras.

Reflita conosco se seu filho apresenta algumas das condições a seguir:

  • Facilidade em criar novas amizades e em se conectar com as pessoas novas;
  • Lidera naturalmente seus amigos nos momentos das brincadeiras e atividades;;
  • Cria ideias rápidas sobre como as coisas podem ser feitas ou solucionadas;
  • Tem facilidade em assumir riscos e não tem medo de enfrentar novas situações;
  • Sabe controlar seu dinheiro e decidir onde deve gastá-lo, sem supérfluos;
  • Contesta sobre como as coisas são habitualmente feitas.

É claro que estas são habilidades de boa parte das pessoas, mas com certeza são condições primordiais para aquele que quer se desenvolver no empreendedorismo. Se chegou à conclusão que seu filho tem algumas delas, entendemos ser prudente contemplar o empreendedorismo na sua vida.

Você pode estar pensando agora: “Não vou dizer para o meu filho enfrentar as incertezas do Empreendedorismo”, mas antes deixe-nos contar uma coisa: Corporações de grande porte buscam profissionais com capacidade de Intraempreendedorismo, ou seja, a capacidade de ter atitudes empreendedoras mesmo que eles estejam trabalhando formalmente em uma empresa. Desta forma, será que renegar esta condição em nossos filhos é a melhor atitude neste momento de tanto dinamismo na nossa sociedade? Vamos falar mais sobre isso no item Empregabilidade?

Da mesma forma que atividades, trabalhos, feiras e eventos podem promover uma ou outra profissão para a escolha dos jovens e adolescentes, o empreendedorismo também deve ser contemplado neste contexto. Permitir que a criança entenda que ter a sua própria empresa é sim uma opção de profissão, carreira e empregabilidade, e oferece a ela um leque maior de opções e de realização profissional.

Antes de optar por qualquer profissão o seu filho precisa adquirir uma boa base escolar, para ajudá-lo na escolha, leia nosso artigo: como escolher a melhor escola para seu filho

O Propósito de Vida e a Empregabilidade dos nossos jovens.

Você com certeza conhece pessoas que vivem uma vida de se alegrar com a sexta-feira e detestar o domingo a noite, que vivem pedindo férias e chorando quando elas acabam, que tem uma vida de trabalho duro para desfrutarem dela somente depois de se aposentar. Pergunto: É este o futuro que queremos para os nossos filhos?

Acredito que não…

CTA Concurso de BolsasSão inúmeros os caminhos que podem levar nossas crianças e jovens para o seu sucesso profissional e principalmente pessoal, pois, ao contrário do que se dizia até algum tempo atrás, estas duas questões não estão desassociadas. Atuar profissionalmente em ocupações e ambientes que estão alinhados aos seus propósitos de vida dão a condição para ele de ter uma vida plena de realizações, com senso de utilidade e com a certeza de deixar no mundo um legado. Este é realmente o motivo de vida de um ser íntegro.

Como encontrar o seu Propósito de Vida? Autoconhecimento é o primeiro passo desta jornada, como demonstramos no início deste artigo. Podemos ainda falar sobre o aprofundamento quanto às profissões e suas realizações, ainda pelo exercício e vivência para experimentar diversos estímulos. Todas estas etapas vividas pelos nossos alunos ao longo da implantação do OPEE tem o objetivo máximo de alcançar o seu desenvolvimento como indivíduos conscientes e em seguida como profissionais conhecedores das suas capacidades e possibilidades, então encontrando a sua Empregabilidade.

Empregabilidade é um termo que até pouco tempo, nem sabíamos que ele existia no dicionário, mas que hoje assume uma importância imensa. Formar indivíduos com alto grau de empregabilidade é mitigar para eles os riscos do desemprego ou da estagnação profissional. Profissionais que conseguem desenvolver-se independente das empresas onde trabalham, se tornando cada vez mais autônomos, criar condições pessoais, financeiras e emocionais diferenciadas para a sua vida e para a vida daqueles que estão à sua volta. Um assunto que nunca acaba, mas sempre muda.

Como começamos este texto, orientação profissional é um assunto que nunca ficará esquecido, principalmente porque está em constante mudança. As profissões estão se alterando a todo momento, o mercado idem, assim, cada vez mais a dinâmica de escolha de profissões e carreiras devem ser apresentadas à criança desde cedo, sendo a orientação profissional dada ao jovem e adolescente cada vez mais necessária. Continuaremos a desdobrar este assunto em outros artigos.

Visita

 

 

 

 

 

Posts Relacionados:

Crianças agitadas na escola, como lidar da forma correta?
Crianças na escola: Como lidar com a transição da criança do Ensino Fundamental I (5°ANO) para o Ens...
Está começando a pensar em gravar vídeos? Seja um YouTuber!
Rotina: é fundamental ter uma

Comentários da Matéria

0 comentários

Deixe o seu comentário: