Medo não é de todo mal

Escuro, altura, falar em público, animais, tempestade, doenças, morte, voar, lugares fechados… qual é o seu medo? Todo mundo tem algum medo. Que seja algo vindo da infância ou mesmo um receio adquirido ao longo da vida, baseado nas próprias experiências, essa emoção é uma adaptação psicológica experimentada desde o início da evolução e, em grande medida, serve para que o ser humano avance e evolua.

Independentemente da origem, o medo é um estado de alerta extremamente importante para a sobrevivência humana. Segundo a psicóloga Juliana Spinelli Ferrari, colaboradora do Brasil Escola, “uma pessoa sem medo nenhum pode se expor a situações extremamente perigosas, arriscando a própria vida, sem medir as possíveis consequências trágicas de seus atos”. No entanto, o medo pode ser um importante obstáculo para o crescimento e, para seguir adiante, é fundamental enfrentá-lo.

Para Telma Vinha, professora da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), as crianças nem sempre conseguem distinguir realidade de imaginação. Independentemente de a ameaça ser verdadeira ou não, elas se sentem em perigo. Uma maneira de encorajá-las a enfrentar o medo é por meio do jogo simbólico. “O professor pode disponibilizar bonecos de personagens, como bruxas, lobos, heróis e vilões, para que brinquem livremente. Outra sugestão é elaborar com as crianças amuletos de proteção e pós mágicos (misturando glitter e outros ‘ingredientes poderosos’) e deixar que elas espalhem pela escola para protegê-las.”

Há quatro anos, no Colégio São Judas Tadeu, escola na Mooca entre as mais tradicionais de São Paulo, a professora Maria Fátima de Jesus, de Língua Portuguesa e Técnicas de Redação (Fundamental II), propôs aos alunos uma redação com o tema “Superando Dificuldades”. “Enquanto discutíamos as situações que poderiam ser abordadas para desenvolver a redação, surgiu, por parte de um aluno, a palavra ‘medo’”, lembra. “Então, os demais começaram a falar sobre o medo de se sair mal na prova, de lugares fechados, de palhaços e de se perder na praia.”

O objetivo da atividade foi mostrar aos estudantes que todas as pessoas passam por dificuldades, maiores ou menores, e cada uma tem um modo de enfrentá-las e superá-las. “Aproveitei para dizer que o medo é comum a todos. É normal o ser humano sentir medo, principalmente diante do desconhecido, mas é preciso reagir e buscar formas de não ser dominado por esse medo.”

Katiane Vieira presidente do Instituto Nação de Valor, empresária, escritora e palestrante, defende o medo como um grande motivador. “Por vezes, um bloqueio no nosso caminho pode precisar ser derrubado para que possamos crescer. Superar um bloqueio ou obstáculo na vida nos dá uma experiência de aprendizagem que não poderíamos obter de outra forma”, explica. “Se dirigirmos nossa energia no caminho certo, o medo poderá ser o propulsor para começarmos a agir e seguir em frente. Esse é o primeiro passo para se libertar de tudo o que o limita e prende. Embora a tarefa possa parecer difícil e pouco familiar, acredite, ela não é! Superar o medo é libertador. Você irá se sentir mais leve, energizado, relaxado e confiante!”, finaliza.